A lenda de Perkeo, o anão de Heidelberg

 

heidelberger-schloss_jan-becke

O mundo do vinho é cheio de histórias interessantíssimas. Muitas delas, improváveis… A maioria mistura elementos históricos e reais com alguns detalhes, digamos, pouco verossímeis…  Hoje vou contar a lenda o anão Perkeo e a história do Grande Barril de Heidelberg.

 

O Barril de Heidelberg

o-grande-barril

Encarapitado nas colinas sobre o rio Neckar, na cidade alemã de Heidelberg, encontra-se o Castelo de Heidelberg, hoje parcialmente em ruínas. Mas durante muitos séculos esse foi o imponente lar dos Príncipes Eleitores Palatinos, nobres do Sacro Império Romano-Germânico.

Fortaleza intransponível, o Castelo de Heidelberg foi sitiado inúmeras vezes e sempre resistiu, em parte graças ao interminável suprimento de vinho (que mantinha elevada a moral dos soldados e súditos). E todo esse vinho, suficiente para abastecer soldados e nobreza durante meses de sítio, era armazenado em gigantescos barris.

heidelbergtunO primeiro desses grandes barris foi fabricado em 1591 e chamou-se Johann-Casimir-Fass (fass significa barril em alemão), em homenagem ao Príncipe Johann Casimir, e tinha capacidade para 127 mil litros. O segundo (de 1664) foi o Karl-Ludwig-Fass com 195 mil litros, e o terceiro (de 1728) foi o Karl-Philipp-Fass com 202 mil litros.

Mas foi o quarto barril, o Karl-Theodor-Fass, construído em 1751 por ordem do Príncipe Eleitor Karl Theodor, que entrou para a História: com 7,3 metros de diâmetro por 10 metros de comprimento, possui capacidade para incríveis 221.000 litros de vinho! Em sua confecção foi utilizada madeira de 130 carvalhos das florestas da região. Este barril existe até hoje, vazio, como atração turística em sua sala no castelo. Segundo os historiadores, esteve totalmente cheio apenas em 3 ocasiões devido a vazamentos.

 

A lenda do anão Perkeo

perkeo

Por volta de 1720, o príncipe Karl Philipp (aquele do terceiro grande barril) era o Governador de Tirol e da Áustria, e morava em Innsbruck. Desolado com a morte de sua esposa e filha, passou a beber. Em uma dessas ocasiões foi apresentado por um de seus oficiais ao anão Clemens Pankert (ou Giovanni Clementi, segundo outras fontes), um tirolês fabricante de botões e célebre beberrão.

Espirituoso e divertido, Clemens ficou famoso por suas piadas e pela incrível tolerância à bebida (apesar de seu pequeno tamanho). Logo ganhou a simpatia do príncipe e foi convidado a servir à Corte como bufão (“bobo da corte”).

Quando lhe ofereciam mais uma taça de vinho, Clemens logo respondia, em italiano: “Perché no?” Passou então a ser chamado de Perkeo.

Quando Karl Philipp tornou-se Principe Eleitor do Palatinado, levou Perkeo consigo para Heidelberg como “Bobo da Corte”, entretendo a todos com suas piadas, histórias e com vinho. Tornou-se uma espécie de mascote da corte e era adorado pelos súditos. Mas era evidente que sua vocação era o vinho, desde sua produção até (e principalmente) seu consumo.

Assim, o Príncipe Eleitor nomeou Perkeo “Copeiro do Rei” e “Mestre de Cave” do castelo, incumbindo-o da responsabilidade de administrar os pequenos e grandes barris, provar e servir o vinho – trabalho que exercia com perfeição. Por anos ele foi o guardião do Grande Barril e andava pelo castelo com seu uniforme colorido, um misterioso relógio e uma enorme chave. E, é claro, uma grande taça de vinho.

Registros da época sugerem que ele bebesse regularmente cerca de 30 litros de vinho por dia.

“Assim era o anão Perkeo
no castelo de Heidelberg,
Pequeno em estatura
mas enorme na sede”.

Viktor von Scheffel

 

De acordo com a lenda, Perkeo viveu saudável até os oitenta anos, sem nunca ter bebido nada que não fosse vinho. Um dia, quando adoeceu pela primeira vez, o médico recomendou que bebesse muita água. Mesmo incrédulo, Perkeo obedeceu o conselho e morreu na manhã seguinte…

 


 

Curiosidades

"O bufão Perkeo frente ao castelo

“Bufão Perkeo frente ao Castelo de Schwetzingen”, cerca de 1725, por Johann Georg Dathan. Óleo sobre madeira. Museu do Palatinado – Heidelberg

  • No castelo de Heidelberg, guardando o Grande Barril, existe uma estátua de madeira de Perkeo. E no topo do barril há uma pista de dança (???).
  • O grande escritor francês Victor Hugo, após uma visita ao castelo (já em ruínas) em 1840, escreveu suas impressões sobre o castelo, o Barril e sobre a lenda de Perkeo uma carta. Nela o escritor narra que Perkeo, na verdade, era humilhado diariamente e açoitado se não surgisse bêbado para entreter os príncipes da Prussia.
  • A história de Perkeo é celebrada todos os anos durante o Carnaval de Heidelberg (Fastnacht), assim como no se sua cidade natal, Salorno (Maschggra).
  • Estudiosos acreditam que Perkeo tivesse Diabets insipidus, doença metabólica que explicaria sua “sede” insaciável e, em partes, sua baixa estatura.
  • Uma das teorias para sua morte seria a de que Perkeo bebeu água contaminada, talvez por cólera, e morreu rapidamente (33 anos de idade).

 

Anúncios

O novo Centro de Enoturismo da Taylor’s no Porto

centro de enoturismo Taylors (3)

Se você precisa de mais um bom motivo para visitar Portugal, a tradicional casa de vinhos do Porto Taylor’s tem um: seu novo Centro de Enoturismo acaba de ficar pronto.

A Taylor’s é uma das maiores e mais antigas casas produtoras de Vinho do Porto e dedica-se exclusivamente à produção destes ícones portugueses. Desde 1692, ano de sua fundação, permanece uma empresa familiar e independente, e atua em todas as fases da produção, desde o plantio da vinha e cultivo das uvas até a elaboração, envelhecimento e engarrafamento dos vinhos. De importância histórica, é tida como a criadora do estilo LBV (Late Bottled Vintage) e permanece, ainda hoje, como sua principal produtora.

Localizado no coração da zona histórica de Vila Nova de Gaia, a “capital” do Vinho do Porto, o Centro de Visitas da Taylor’s recebe anualmente cerca de 100 mil visitantes de todo o mundo. Mas segundo Adrian Bridge, diretor-geral da Taylor’s, a empresa sentiu a necessidade de oferecer ao visitante uma experiência mais adaptada aos padrões do moderno enoturismo e de se destacar entre os demais centros de visitação de caves da região.

centro de enoturismo Taylors (5)

A reestruturação e modernização do Complexo de Enoturismo da Taylor’s durou meses e recebeu investimentos de mais de 1 milhão de euros. O resultado é um moderno centro de visitação e degustação, onde os visitantes são apresentados à história da marca, desde a sua fundação.

No passeio os visitantes percorrem as históricas caves que abrigam os antigos cascos (tonéis de 630L) e cubas (de 20.000L) de carvalho onde envelhecem os vinhos do Porto, e aprendem os detalhes da produção desse maravilhoso vinho fortificado. Abaixo das caves encontram-se os túneis que abrigam a garrafeira, lendária coleção de vintages onde as garrafas (algumas com mais de dois séculos) repousam umas sobre as outras até atingirem a maturidade perfeita. Após este trajeto, os visitantes seguem para a sala de degustação, onde podem provar o Taylor´s Chip Dry e o Taylor´s Late Bottled Vintage, acompanhados de um expert da empresa. Outros vinhos podem ser acrescentados de acordo com o desejo (e o bolso) do visitante.

centro de enoturismo Taylors (7)

A visita custa 12 euros e o percurso completo pode durar até 2 horas (a visita rápida tem duração de cerca de 20 minutos) com auxílio de audio-guias em português, inglês, espanhol, francês e alemão.

Centro de Visitas Taylor´s:

Horário: 10:00 às 19:30pm (última visita começa às 18:00)

Entrada: 12€ por pessoa

Rua do Choupelo nº 250, 4400-088 Vila Nova de Gaia

www.taylor.pt


No Brasil, os vinhos Taylor´s são importados e distribuídos pela Importadora Qualimpor.
www.qualimpor.com.br

centro de enoturismo Taylors (4)

centro de enoturismo Taylors (2)

centro de enoturismo Taylors (6)

Degustação Taylors